16 outubro 2017

INAUGURAÇÃO DA FANZINOTECA IFF MACAÉ

Rodas de Conversa, lançamentos, mostra e feira de fanzines marcaram
O início das atividades da  primeira FANZINOTECA pública no interior do Rio.
O Dia Nacional do Fanzine este ano contou com um evento de destaque nas comemorações que há alguns anos vem sendo celebrada junto a comunidade de fanzineiros, trata-se da  Fanzinoteca IFF Macaé que foi inaugurada na última quarta-feira, 11 de outubro, concretizando um meta que há quatro anos vem sendo perseguida – a de reunir o acervo adquirido pelo Projeto de Extensão IFanzine por meio de trocas com a comunidade de fanzineiros, e possibilitar a apreciação e o registro de memória das publicações independentes, além de dispor de um espaço para promover a capacitação de educadores para uso de fanzines na sala de aula, além de proporcionar mecanismos de estímulo à leitura e produção de literatura popular. 
Catraca Desfuncional
na entrada.
Feira de zines com vária(o)s
estudantes autora(o)s.
O Coro do IFF Macaé, regido pelo professor Helio Junior, deu início à programação do evento, que contou com exposição do acervo de publicações independentes, feira de troca de fanzines, debates e lançamentos. Na entrada da Fanzinoteca, uma catraca reaproveitada foi instalada para destacar, contraditória e criativamente, a liberdade criativa e o estímulo à autoralidade acessível a todos, pois desde a entrada, os participantes são convidados a contribuir com alguma expressão artística autoral, seja com desenhos, textos ou outras performances. 
Jovens estudantes do IFF Macaé e que atuam diretamente no projeto IFanzine lançaram seus fanzines autorais no evento e puderam vivenciar a experiência da fanzinagem em plenitude. “Postar material virtualmente e alcançar retorno é uma coisa, mas estar presente, em contato com pessoas distintas analisando seu trabalho é totalmente diferente. Cada sorriso esboçado, cada expressão de afeição, pedido de dedicatória e perguntas a respeito de meu processo criativo fizeram meu coração dançar no peito como nunca antes. Que venham mais eventos como este” - comemorou Vitor Fortunato, que lançou no evento o zine “PLANETA EMOÇÃO”. Outros zines como “QUE MERDA É ESSA” de Sara Gaspar; “GIRLS” de Duda Belmont; “BOM DIA?” de Keven Rocha; “SEREIANDO” de Clara March e“CRIME E CASTIGO” de Erika Freitas movimentaram as trocas na feira que aconteceu no interior da Fanzinoteca. Destacamos ainda, além dos estudantes da casa, o poeta Max Medeiros, vindo do Rio de Janeiro especialmente para o evento e que, além de participar da feira com seu trabalho muito apreciado pelos visitantes, declamou uma de suas criações no decorrer da Mostra.
Roda de conversa e lançamento do zine
MARX NA ATUALIDADE
Destacamos a presença das artistas Taob, de São Pedro da Aldeia, com suas belíssimas gravuras na exposição “IMAGINÁRIO” e a fotógrafa macaense Amanda Moraes com a mostra “FILOGRAFIAS”. As rodas de conversa mantiveram a dinâmica de interação e sinergia no decorrer de uma agradável tarde de véspera de feriado, com o lançamento de zines que deram o tom dos bate-papos. Iniciou-se com o lançamento do zine “MARX NA ATUALIDADE” produzido pelo projeto IFanzine em parceria com o professor de filosofia Leonardo Berbat de Brito, que mediou a falação sobre o tema em questão. O zine estréia a “Coleção Fanzinoteca IFF Macaé” selo editorial que pretende destacar a nova Fanzinoteca como espaço de estímulo à produção autoral e subjetivação zineira. Outras publicações e rodas de bate-papo se seguiram, com o relançamento do zine PEIBÊ 5 e depoimentos dos estudantes que atuam no projeto IFanzine e do coordenador, Beralto. Outros zines produzidos pelo projeto em parcerias foram relançados, como o zine Traços de Memória 2, contando com a participação da professora de português e literatura Andrea Barbosa e suas bolsistas Juliana Campos e Erika Freitas. Distribuiu-se ainda o zine “DEPRESSÃO, E EU COM ISSO?
Detalhe do zine GIRLS de Duda Belmont
Houve ainda a inauguração do aparato audio-visual produzido pela equipe organizadora com material reaproveitado, e que foi denominado TOTEN-ZINE - um display em formato de caixa de auto-atendimento bancário, contendo zines ofertados gratuitamente, enquanto um monitor de vídeo exibiu um audiovisual produzido pelos artistas Edgar Franco, o Ciberpajé e Danielle Barros, a IV Sacerdotiza, no qual criam um HQforismo especialmente para demonstrar o processo criativo deste sub-gênero dos quadrinhos poético-filosóficos. Os dois, pesquisadores renomados e referências entre os autores de quadrinhos independentes de inspiração poético-filosóficos, participaram juntamente com Gazy Andraus da produção do zine Café Filosófico 2, que marcou a estreia do TOTEN-ZINE que, segundo Beralto, coordenador da Fanzinoteca, será um recurso para disponibilizar, além dos fanzines que sejam enviados para o acervo, materiais audiovisuais produzidos pelos artistas que se interessem em divulgar sua obra e processo criativo para os visitantes da Fanzinoteca.
Totem Zine, com vídeo produzido pelo Ciberpaje
e IV Sacerdotiza especialmente para a Fanzinoteca

Se fez presente ainda a professora Amábela Cordeiro (UFRJ campus Macaé) que discorreu sobre o projeto COMER PRA QUÊ, direcionado  à juventude brasileira com objetivo de gerar consciência crítica sobre as práticas alimentares e que, entre outras ações, utiliza o zine como veículo comunicacional. O produtor cultural e fanzineiro de Casimiro de Abreu, Tiago ABS finalizou as rodas de conversa apresentando seu acervo pessoal de zines e um relato sobre os aspectos subjetivos relevantes na prática da fanzinagem, com ênfase na afetividade e troca presentes como fator de grande motivação para o autor à margem da grande imprensa. 
Compuseram a mostra os originais de fanzines produzidos pelos estudantes das professoras de português e literatura Olivia Fonseca e Elida Tuão, com o tema Empoderamento Feminino e que tiveram destaque na Mostra em estantes próprias. A decoração festiva e um coquetel retrô, servido no decorrer do evento aos participantes, deram o tom de descontração proposta pela organização e o público concorreu durante toda a tarde, com cerca de 200 visitantes até o final do dia. A Fanzinoteca IFF Macaé informará em breve os dias e horários de atendimento, mas estará permanentemente aberto a visitações mediante agendamento prévio, inclusive para promoções de oficinas, minicursos e lançamento de publicações. 
Zines sobre Empoderamento Femino
Segundo Alberto de Souza (Beralto), coordenador da Fanzinoteca, o espaço representa uma nova fase do projeto IFanzine, pois corporifica o acolhimento do fanzine no Instituto Federal Fluminense, uma vez que temos construído ao longo de 4 anos a inserção da prática da fanzinagem na sala de aula e em ações de extensão, por meio de parceria com professores, que vêm reconhecendo este suporte das revistas de fã como um mecanismo de estímulo à produção textual e mesmo como processo avaliativo. Por sua vez os estudantes têm respondido com entusiasmo na medida em que percebem os predicados da mídia tátil como detentora de atributos únicos e a interação presencial que ela oportuniza - uma vivência ímpar, que a dinâmica das redes sociais não consegue suprir plenamente. Ver de perto um autor com sua revista artesanal e independente, desprovida das amarras comerciais, provoca identificação junto ao jovem que se vê motivado a fazer sua revista também e a explorar seu potencial criativo.
Kit zine "QUE MERDA É ESSA?" de Sara Gaspar, zine escatológico em
duas edições, com miniatura de cocô e papel higiênico.
O uso de recursos de impressão acessíveis e processos compositivos artesanais são um fator motivacional a mais, que fazem do zine uma excelente ferramenta a ser explorada mais amplamente no ambiente educacional. Manifestamos nosso agradecimento à direção geral do IFF campus Macaé pela sensibilidade de acolher nossa proposta e acreditar no ineditismo e potencial do fanzine na âmbito do ensino e aprendizagem e também aos educadores da instituição que vêm colaborando com o êxito de nossa proposta em inúmeras parcerias. Pro fim, nossa gratidão aos artistas independentes que enviaram suas publicações para o acervo da Fanzinoteca, reafirmando o valor inestimável da relação fraternal e contagiante que ora os estudantes da nossa instituição poderão vivenciar de forma mais cotidiana nas ações que serão desenvolvidas no nosso novo espaço dos fanzines, até então inédito em uma instituição de ensino no estado do Rio de Janeiro e quiçá em nosso país, finalizou Beralto. Para agendamento de visitações, oficinas, minicurso, lançamentos de publicações envie e-mail para projetoifanzine @gmail.com
Para envio de publicações para o acervo da Fanzinoteca:
Instituto Federal Fluminense (A/C Alberto Carlos Paula de Souza) Rodovia Amaral Peixoto, km 164, Bairro Lagoa Macaé-RJ. CEP: 27.925-290

02 setembro 2017

Evento e fanzine sobre Depressão na Escola

Cerca de 1000 pessoas participaram do evento
que aconteceu nos dias 29 e 30 de agosto.
 Com o objetivo de tratar do tema Depressão no ambiente escolar, realizou-se nos dias 29 e 30 de agosto um seminário, como atividade letiva para todos os estudantes, que agrupou esforços de equipe multidisciplinar, capitaneada pelo psicólogo do IFF Macaé, Marcelo Quirino, além de assistentes sociais e corpo pedagógico da instituição, e cerca de 100 voluntários, a maior parte, estudantes, sob o título que encerra uma interrogação – “Depressão, e Eu com Isso?”.
A pergunta em questão, trouxe à baila a reflexão sobre o papel dos diferentes segmentos da instituição frente a este problema que, embora presente de forma incontestável como “mal moderno” frequente na vida de muitas pessoas, não costuma ser tratado de maneira adequada e frequentemente percebem-se muitos mitos e preconceitos em torno do assunto.  
Segundo o psicólogo Marcelo Quirino, o evento foi motivado pelo intento de dirimir os tabus e a desinformação sobre essa psicopatologia que acomete a todos, sem distinção de idade. Considerando todos os prejuízos claramente perceptíveis em diversos âmbitos, inclusive na vida dos estudantes e servidores, em suas diversas dimensões, seja social, afetivo, relacional, profissional, cognitivo ou acadêmico, afeta seriamente a vida de todos.
Conforme divulgado no portal do IFFluminense, Marcelo comentou que o evento não pretendeu ser resolutivo de determinada questão, mas não deixou de possibilitar um outro olhar sobre aquilo que nos assola. "Temos alunos felizes, menos angustiados, servidores mais próximos uns dos outros e que trocam informaçoes sobre o que ouviram, referindo-se ao saldo unanimemente positivo, conforme as manifestações dos estudantes, servidores, visitantes e pais de estudantes que concorreram maciçamente ao evento, nos dois dias dedicados à promoção de palestras, oficinas, apresentações artísticas e também o lançamento e distribuição do fanzine desenvolvido especialmente pelo Coletivo IFanzine para o evento.
FANZINE DA DEPRESSÃO
O zine elaborado pelos estudantes do IFF Macaé, apresenta
diversos olhares sobre o tema depressão de forma criativa.


O Fanzine, com título homônimo ao evento, foi proposto pela comissão organizadora durante a estruturação da programação, ao coordenador do projeto IFanzine, Beralto, que prontamente acatou o desafio de envolver os estudantes na produção autoral. Segundo Beralto, os estudantes que atuam no projeto IFanzine, bolsistas de extensão e voluntário(a)s, já estão acostumados a encarar propostas interdisciplinares, travar parcerias com os diversos segmentos da escola, seja ensino, extensão ou pesquisa, e conduzir processos criativos à moda “Do it Your Self”, de forma destemida e espontânea, pois já incorporaram o espírito zineiro de expressar ideias, deixando de lado a premissa de que a suposta “falta de criatividade” ou “falta de jeito para artes visuais/manuais” ou a falta de expertise é obstáculo para se fazer uma revista artesanal. Já são quase cinco anos em que nosso projeto incorporou ao cotidiano da escola a proposta do fanzine, percebida como uma ferramenta de inestimável valor tanto no processo ensino e aprendizado, seja como estímulo à produção textual e/ou método avaliativo, como também, vem sendo acolhido como mídia alternativa com ampla eficácia educomunicacional. Somente neste mês de agosto, além do evento sobre o tema depressão que mobilizou toda a comunidade estudantil, sendo um excelente momento para dar visibilidade ao fanzine e ao projeto, atendemos mais de 200 estudantes, num trabalho de Língua Portuguesa e Literatura, como processo avaliativo, subsidiado pelas oficinas que o projeto realizou à convite de duas professoras da escola”, complementou Beralto.
Em meio às várias atividades desenvolvidas em salas de aula e auditórios da escola no decorrer dos dias 29 e 30 de agosto, o projeto IFanzine se fez presente durante todo o evento com uma sessão de autógrafos, na qual participaram o(a)s estudantes autore(a)s com uma sessão de autógrafos, que sempre acontece quando do lançamento dos zines produzidos pelo projeto, como forma de dar relevo ao zine como estímulo à autoria e estabelecer uma relação mais fraterna e horizontal entre leitor/autor, prática implícita na cultura fanzineira.

A PRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS DO ZINE
O zine, com 20 páginas reproduzido em fotocópia, contou
com tiragem especial de 50 unidades com capa cartoneira.
A feitura do zine envolveu a participação do coordenador do projeto IFanzine, o Beralto (Alberto de Souza) e o psicólogo Marcelo Quirino, coordenando a produção dos estudantes. Realizou-se uma oficina no mês de julho e aconteceram convocatórias junto aos grupos de voluntários nas redes sociais. Os estudantes vinculados ao projeto, bem como voluntário(a)s colaboraram nas produções com cartuns, HQs, ilustrações e poemas. O fanzine, em formato 10x15cm, 20 páginas em preto e branco, reproduzido em fotocópia, contou ainda com uma versão online com conteúdo extra e que foi lançado simultaneamente no dia 30 às 16h, tal como divulgado na fanpage do projeto IFanzine. O zine impresso contém um QR Code que facilita o acesso ao link do e-zine.  Outra novidade é que a edição de 300 exemplares contou também com uma tiragem de 50 unidades com capa cartoneira, utilizando papelão reaproveitado pintado à mão com guache por meio de técnica de stencil. A manufatura desenvolveu-se em mutirão reunindo os autores e outros integrantes do corpo de voluntários do evento.
CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DO ZINE NO EVENTO
Transcrevemos a seguir algumas reflexões do organizador do evento, o psicólogo clínico Marcelo Quirino sobre o evento e a utilização do zine como um dos suportes para o protagonismos dos estudantes do campus Macaé no evento em questão:
Sessão de autógrafos, a celebração da autoria, oportunizada
pelo processo criativo DIY.
“ Falar tudo o que vem à mente é a lei da Psicanálise. Então quem deita no Divã tem apenas uma regra inicial: falar. E falar sobre é o que fazemos num processo de análise. Um falar sobre o que vejo e saber que falaremos sobre aquilo que não vejo, mas verei durante a fala. Falarei nomes novos que darei a determinados processos invisíveis. Falarei sobre o sentimento que me determina e sobre como ele gera outro sentimento. A complexidade e contradição de nossa subjetividade também é objeto da nossa fala em análise. E quando penso em fanzinar é como se eu tivesse um upgrade com mais tecnologias sobre esse método psicanalítico: além de falar eu desenho, borro, pinto, rabisco, poetizo, canto, apago, silencio e demonstro tudo aquilo que não vejo nem falo pelo traço e pela letra. Fanzinar para esses alunos que colaboraram para o Zine Depressão e Eu com Isso?! e outros é como fazer uma análise de si, sem precisar saber do que fala ou pinta, sem censura, sem interpretação de um outro analisador do discurso. Dar vazão é o processo principal que durante o fluxo do dito e do rascunhado vai transformando o sujeito que fala através simplesmente do processo de falar-pintar-desenhar.  É na arte da fanzinagem que o aluno se transforma, se nomeia, se identifica, se diferencia e ali vimos sendo desenhado juntos um outro Fanzine, não impresso, mas aquele que fica recôndito na alma de quem fanzineia. Destarte, quem faz um zine necessariamente produz dois mesmo que não saiba: um divulgamos para outro e o outro divulgamos a si próprio. E nessa dupla produção, produzo-me à medida que escolho meus traços e desenho uma autoimagem de uma nova forma, mais autônoma e individual, com menos traços do outro e mais rabiscos meus de mim mesmo.”

AGRADECIMENTOS E CONCLUSÃO

Coletivo IFanzine durante o lançamento do zine.
Em nome do Projeto IFanzine nos cumpre agradecer ao psicólogo Marcelo Quirino pela sensibilidade e diligência ao mobilizar a escola para cristalizar bons momentos que nos fizeram honrados em trabalhar nesta escola e pela oportunidade de dispor do fanzine no ambiente desta instituição voltada à formação profissional e tecnológica, oportunizando aos estudantes seu espaço de protagonismo. Foi um dos pontos culminantes deste projeto que se iniciou há mais de 4 anos, sendo alegrias como essa a força motriz para novos desafios. Agradecemos também aos estudantes diretamente envolvidos na produção do zine: Sara Gaspar, Karoll Castro, Duda Belmont, Mariana Santos, Paulo José, Vitor Manoel, Carlos Henrique, Julie Leão, Keyti Santos, Ronald Delvalle, Synarha Carvalho e Clara March. Além destes, muitos outros estudantes que participaram do mutirão para produção do zine e que acorreram à nossa “linha de montagem”, como ironicamente denominamos o processo de artesania envolvida na produção do conteúdo durante a projetação e, na etapa final, a produção das capas cartoneiras e os trabalhos de acabamento gráfico que envolveu a manufatura coletiva. Fazemos nossas a conclusão do Marcelo, ao considerar que o evento, que encerrou em seu título uma pergunta, culminou com uma resposta unânime, advinda do engajamento, protagonismo, construção coletiva e espaço para rosto e voz dos envolvidos. Assim sendo, declaramos – Depressão, e Eu com Isso? TUDO!

EDIÇÃO ONLINE - ACESSE AQUI:


18 julho 2017

Fanzinagem Coletiva com o tema DEPRESSÃO.

O Projeto IFanzine, coordenado pelo programador visual Alberto de Souza, o Beralto, em parceria com o psicólogo escolar e psicopedagogo Marcelo Quirino, vão realizar na próxima sexta-feira as 10h30 no miniauditório 3 do IFF Macaé a I Fanzinagem Coletiva, oficina de fanzine que terá como proposta o envolvimento da comunidade estudantil do campus para tratar do tema Depressão e Saúde Mental. Marcelo Quirino, considera importante utilizar todos os meios, formas e linguagens para encenar, discutir e pensar a depressão, sobretudo de forma livre, aberta e expressa pelos próprios jovens estudantes. A expectativa é que através dessa linguagem multiforme se dê voz e vez à temática proposta, sob o título "Depressão e Eu com Isso". O fanzine produzido será lançado no evento homônimo que acontecerá entre os dias 29 e 30 de agosto, com palestras, oficinas e mesa-redonda trazendo à comunidade do Campus Macaé diversos profissionais para tratar do tema depressão abrangendo também o segmento dos servidores, além dos estudantes de todas as turmas e níveis da instituição.

06 junho 2017

Scketch Zine, uma nova experimentação no estilo "Faça Você Mesmo".


Na última quarta, 31 de maio, reunimos os integrantes do Coletivo IFanzine para a primeira oficina com os novos bolsistas voluntários. A proposta do dia foi elaborarmos um fanzine com desenhos de locação retratando cenas do IFFluminense Campus Macaé. 

O resultado você confere no link para leitura online do zine. Estamos pretendendo realizar novas oficinas e em breve divulgaremos aos interessados. Quem quiser reservar vaga pode fazer contato conosco pelo email <projetoifanzine@gmail.com>


28 maio 2017

Zine Múltiplo 8 é dedicado exclusivamente a quadrinhistas mulheres

Capa Múltiplo 8
Já é lugar-comum reconhecer a regularidade e potencial produtivo do editor André Carim à frente do zine Múltiplo, em especial, e o Ilustrado. Mas a capacidade de agregar propostas diversificadas tanto de conteúdo quanto de estratégias de envolvimento da comunidade de quadrinistas e/ou zineiros vêm sendo também uma das marcas do André com o Múltiplo em sua nova fase.
O Múltiplo, remanescente dos zines pré-internet, desde seu retorno, numa proposta de veiculação online, com possibilidade de encomenda do zine impresso, sob demanda, talvez tenha nessa nova estratégia, adequada às novas tecnologias gráficas, seu trunfo de não economizar no conteúdo sempre superando uma centena de páginas, com HQs , entrevistas, relatos, enquetes e ilustrações, reunindo veteranos e novos talentos, profissionais e amadores representando o que de melhor se têm nos fanzines, a possibilidade de interação entre público seleto de aficionados, incentivando novos talentos. 
HQ de Sara Gaspar
Destacamos a presente edição, o Múltiplo 8, como um belo exemplo das iniciativas do Múltiplo, uma edição totalmente dedicada às mulheres quadrinhistas. As ganhadoras do Troféu Ângelo Agostini, Mary Cagnin, Alessandra Freitas, Thina Curtis e Fabi Menassi, colaboram ancorando participações premiadas, evidenciando o destaque feminino neste espaço que anda têm muito a ser galgado pelo talento feminino, frente às barreiras da desigualdade no mundo corporativo em todos os âmbitos, sem contar a necessidade de quebra de diversos paradigmas impostos por uma sociedade, por vezes, retrógrada. Registramos a participação de pesquisadoras dedicadas à investigação das HQs e valorização do espaço das mulheres neste metiê ainda predominantemente masculino dos quadrinhos, tanto em relação à leitores quanto autores. São elas, Dani Marino e Danille Barros. Destacamos, entre as participações, a presença de Sara Gaspar, talento revelado pelo projeto IFanzine e que vem ampliando sua participação autoral no fanzinato nacional, colaborando nesta edição com HQs e ilustrações. Além da Sara, foram publicados trabalhos de estudantes produzidos em oficinas dinamizadas pelo projeto IFanzine - Layanne Teixeira e Emanuelly Souza. 
Fica a expectativa de que nas futuras edições da Múltiplo tenhamos maior participação das meninas, agregando talentos e fortalecendo o cenário independente, quiça como mola propulsora de novas perspectivas para a presença do talento feminino no mercado de HQs.